sábado, 19 de abril de 2014

HISTÓRIA DA DITADURA

O Golpe: antes e depois

Entenda as primeiras movimentações que levaram ao golpe e saiba quem foram os principais personagens da ditadura militar no Brasil

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
Fonte Normal
PUBLICADO EM 29/03/14 - 00h00
Na década de 1960, após alguns governos mais voltados para reformas populares, o país vivia um momento de afirmação como nação independente e soberana. Quando João Goulart, o Jango, foi eleito vice-presidente, em 1960, o presidente e seu substituto eram escolhidos separadamente. O conservador Jânio Quadros renunciou ao cargo em 1961, deixando a Presidência a Jango, o manco com tendências comunistas.

Desde o princípio, os militares mais conservadores tentaram impedir a posse de Goulart. Primeiro empossaram o presidente da Câmara no seu lugar e logo em seguida veio o parlamentarismo, com Tancredo Neves como primeiro-ministro. Somente em 1963 ele teve plenos poderes de presidente e iniciou um governo reformista, visando à reforma agrária, ao combate ao analfabetismo – concedendo até mesmo o direito de voto a quem não sabia ler –, entre outras medidas que aterrorizaram os conservadores do país.
Criticado por suas medidas, Jango passou a participar de comícios e manifestações que defendiam seu governo. Em 19 de março de 1964, a oposição organizou uma manifestação contra as medidas tomadas por Jango, contraditoriamente chamada “Marcha da Família com Deus pela Liberdade”. Milhares de religiosos, conservadores das classes média e alta, além de militares, foram às ruas, marcando o que seria o pontapé dos 21 anos de muita repressão.
No entanto, isso tudo fazia com que, no ponto de vista da Guerra Fria, os norte-americanos se sentissem acuados. Com toda a movimentação de apoio às reformas no Brasil e os exemplos das revoluções socialistas e de libertação nacional que ocorreram pelo mundo, o governo dos Estados Unidos resolveu intervir. Assim surge o golpe militar de 1964. As intervenções americanas levaram a uma sequência de golpes em toda a América Latina, que resultaram na perseguição e morte de um enorme número de pessoas.
No dia 31 de março daquele ano tropas do Exército se deslocaram para o Rio de Janeiro e colocaram João Goulart na parede: ele teria que escolher entre os militares ou os sindicalistas. Sua escolha foi se exilar no Uruguai para evitar uma guerra civil. No dia da mentira os militares tomaram posse, entulhando as ruas das principais cidades do país de militares armados.
Dez dias depois, o Ato Institucional número 1 entrava em vigor, dando ao governo militar o poder de mudar a constituição, anular mandatos legislativos, cassar os direitos políticos por dez anos e demitir, colocar em disponibilidade ou aposentar compulsoriamente qualquer pessoa que fosse contra a “revolução”. A partir daí eles também podiam determinar eleições indiretas para a Presidência da República.
Os primeiros anos
No dia 2 de abril o Congresso Nacional declarou que a Presidência da República estava vaga e deu posse ao presidente da Câmara dos Deputados, que permaneceu apenas ilustrativamente no comando até o dia 15 de abril, quando o primeiro presidente militar, Humberto de Alencar Castelo Branco, tomou posse.
Durante seu pronunciamento, o presidente se disse defensor da democracia, porém estabeleceu eleições indiretas para a Presidência, dissolveu os partidos, cassou os mandatos de vários políticos, além de intervir nos sindicatos. Foi durante o seu governo que foi instituído o bipartidarismo, com o Movimento Democrático Brasileiro (MDB) – oposição controlada – e a Aliança Renovadora Nacional (Arena) – representante dos militares.
Foi ainda sob o seu comando que o governo militar impôs uma nova Constituição, em 1967, que institucionalizou as formas de atuação da ditadura. A partir daí, até mesmo os meios de comunicação e os artistas passaram a ser censurados. Mas o pior ainda estava por vir.
O AI-5
Ainda em 1967, o general Arthur da Costa e Silva assumiu a Presidência. A oposição ao regime militar cresceu no país durante o seu comando, com inúmeros protestos, como a Passeata dos Cem Mil, organizada pela União Nacional dos Estudantes (UNE) no Rio de Janeiro. Em abril de 1968, em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte, aconteceu a primeira grande greve dos trabalhadores durante o regime.
No dia 16 de abril, 1.200 trabalhadores da Belgo-Mineira iniciaram uma paralisação. Eles pediam aumento imediato de 25% nos salários, sendo que a empresa oferecia apenas 10%. A greve durou 15 dias e, apenas nos três primeiros deles, já atingia Mannesmann, SBE, Belgo de João Monlevade e a Acesita, somando um total de 20 mil trabalhadores paralisados. No dia 1º de maio, Costa e Silva autorizou o reajuste salarial, finalizando o movimento, que inspirou em julho os metalúrgicos de Osasco (SP).
Ao mesmo tempo, a repressão forçou o surgimento da guerrilha urbana, formada por jovens de esquerda que começaram a se organizar. Colocados na marginalidade, os guerrilheiros passaram a assaltar bancos e praticar sequestros, visando arrecadar dinheiro para manter a oposição armada.
Foi por conta de toda a resistência encontrada que os militares resolveram, no dia 13 de dezembro, decretar o famoso Ato Institucional número 5 ( AI-5 ), o mais duro do governo militar. O ato aposentou juízes, cassou mandatos, acabou com as garantias do habeas corpus e deu um aval maior ainda à repressão.
Doente, Costa e Silva deixou a Presidência em agosto de 1969, sendo que o mais cruel dos generais ainda estava por vir.
Os anos Médici
Com a enfermidade do presidente, a junta militar formada pelos ministros do Exército, Marinha e Aeronáutica ficou no comando do país por meses. Porém, apesar do curto período de tempo, acontecimentos marcantes ocorreram durante esse período.
O embaixador dos EUA Charles Elbrick foi sequestrado por grupos guerrilheiros de esquerda, que conseguiram em troca a libertação de 15 presos políticos. Como resposta, a junta militar decretou a Lei de Segurança Nacional, que permitia o exílio e a pena de morte para autores de guerra psicológica “adversa, revolucionária ou subversiva”.
No dia 30 de outubro de 1969, o general Emílio Garrastazu Médici foi escolhido pela junta militar para ser o próximo “representante” do país. Foi sob suas mãos de ferro que o país viveu cinco longos anos, mais conhecidos como “anos de chumbo”.
Neste período a luta armada passou a ser literalmente caçada, sem falar na censura, que passou a funcionar a todo vapor. Jornais, revistas, livros, peças de teatro, filmes, músicas e outras formas de expressão artística só podiam vir à tona com o consentimento de militares. Foi então que ainda mais pessoas foram presas, torturadas e exiladas do país.
Em novembro de 1969 morreu, em uma emboscada da polícia, Carlos Marighella, o baiano que liderava a Ação Libertadora Nacional (ALN). O guerrilheiro foi cruelmente assassinado após a prisão e tortura de freis dominicanos que auxiliavam a ALN.
Ainda durante os “anos de chumbo”, a guerrilha rural do Araguaia ganhou força. Criada pelo Partido Comunista do Brasil (PC do B) em 1967, o objetivo era seguir o exemplo de Cuba e China, com uma revolução socialista que começaria no campo e tomaria o poder dos militares. A guerrilha foi fortemente combatida a partir de 1972, sendo que, em 74, menos de 20 do total de cerca de 80 militantes ainda estavam vivos.
Foi entre 1969 e 1973 que ocorreu no país o período tão exaltado pelos apoiadores da ditadura: o “milagre econômico”. O PIB brasileiro crescia com uma taxa recorde de quase 12% ao ano. Ao mesmo tempo a inflação chegava aos 18%. O “milagre” foi consequência dos investimentos internos através de empréstimos no exterior.
Empregos foram gerados em todo o país através de grandes obras de infraestrutura, algumas delas, gigantescas, como a ponte Rio-Niterói e a Transamazônica. Porém, todo o dinheiro gasto deveria ser pago no futuro, o que gerou uma enorme dívida externa para o país.
“Distenção lenta, gradual e segura”
Foi com essas palavras que o general Ernesto Geisel anunciou o processo de redemocratização, que ainda levaria mais de 10 anos para se concluir. Ele assumiu o governo ainda em 1974, com a insatisfação popular com níveis altíssimos, já que o chamado “milagre econômico” acabara e uma crise mundial atingia o país.
Ao mesmo tempo o MDB, a oposição permitida, ganhou nas eleições de 1974 a maioria no senado e a maioria das prefeituras do país. Descontentes com a redemocratização pretendida por Geisel, militares fizeram diversos a ataques clandestinos contra a esquerda do país.
Em 79 o general João Baptista Figueiredo assume a presidência e rapidamente decreta a Lei da Anistia, que permite o retorno dos exilados políticos ao país. Mesmo assim militares continuaram a repressão na clandestinidade, chegando a enviar cartas bomba para a imprensa e até à Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).
Ainda em 1979 o governo restabeleceu o pluripartidismo ao país, transformando a ARENA em PDS e o MDB em PMDB. Foi aí que o Partido dos Trabalhadores (PT) e o Partido Democrático Trabalhista (PDT) foram criados.
Em 1984 milhões de brasileiros iniciaram o movimento Diretas Já, que pedia a eleição direta para presidente naquele ano. O pedido não foi atendido, mas no dia 15 de janeiro de 1985 o deputado Tancredo Neves era escolhido pelo Colégio Eleitoral como novo presidente do Brasil.
Infelizmente, o mineiro que daria fim aos 21 anos de repressão ficou doente e morreu antes de tomar posse, fazendo de seu vice, José Sarney, o primeiro presidente não militar após a ditadura. Em 1988 uma nova constituição, que apagava parte da herança maldita da repressão, foi aprovada no país, trazendo de volta a democracia.

quarta-feira, 9 de abril de 2014

Bandidos explodem caixa eletrônico do Bradesco

Em São João do Manhuaçú (MG)

Três homens armados com escopetas calibre 12 explodiram o caixa eletrônico do posto de atendimento do Bradesco em São João do Manhuaçu, na madrugada desta quarta-feira, 08.
Por volta de 3 horas, moradores acordaram assustados com a explosão. Eles chegaram a ver os três autores. Pela dimensão do estrago, usaram dinamite.
“Nenhum valor foi subtraído do caixa eletrônico. Apesar da explosão ter destruído o posto de atendimento, não chegou a abrir o compartimento onde fica o dinheiro”, ressaltou Capitão Adenilson, comandante da 272ª Companhia de Polícia Militar.
Os bandidos perceberam que a explosão não conseguiu o resultado planejado. Como os moradores começaram a abrir as janelas, eles fugiram.
“Os indivíduos entraram num veículo Gol de cor verde, faltando uma das calotas dianteiras, e fugiram sentido Divino ou Orizânia, pela BR-116. Foram acionadas equipes das cidades vizinhas para um cerco, mas sem resultado ainda”, destacou.
De acordo com a Polícia Militar, informações estão sendo levantadas a respeito dos suspeitos e o modo como agiram em São João do Manhuaçu, comparando com outros casos da região.
Carlos Henrique Cruz - portalcaparao@gmail.com

terça-feira, 8 de abril de 2014

DEPUTADO FEDERAL JOÃO MAGALHÃES VIABILIZA GRANDES PROJETOS PARA O MUNICIPIO DE PEDRA BONITA.

     O deputado federal João Magalhães esteve na noite de sábado 05/04/14 na cidade de Pedra Bonita onde foi recebido por uma multidão na residência do prefeito Trovão Vitor. 

O prefeito Trovão Vitor agradeceu o empenho do deputado nos convênios, e aproveitou a ocasião para registrara a emenda liberada e já empenhada de 1 milhão de reais para construção de um parque de exposição em Pedra Bonita, graças a parceria que firmamos com parlamentar estamos conseguindo importantes investimentos para nosso município. “Quero dizer do meu sincero agradecimento ao deputado João Magalhães por essa liberação de recursos”. 

     João Magalhães reforçou que seu trabalho tem se pautado por estar ao lado das questões municipais. “As lideranças, prefeitos, vereadores e nossos parceiros sabem da minha dedicação com os municípios da minha base. Agora com o prefeito Trovão Vitor envidaremos todos os esforços no sentido de buscar as melhores ações em prol de toda a população de Pedra Bonita”.

 Na visita, João Magalhães conversou com prefeito, ex-prefeitos, vereadores e lideranças. Eles manifestaram o agradecimento pela parceria e atenção com seu município e reafirmaram o seu compromisso com o deputado João Magalhães, que tem levado de forma determinada os pleitos dessas cidades até o Governo de Minas e ao Governo Federal.

     Os Governos Federal e Estadual, na maioria dos casos, só liberam recursos através de programas e convênios. João Magalhães aproveitou para instruir os parceiros, especialmente os prefeitos a organizar seus setores de convênios e de relações institucionais para receber recursos. “Apesar da boa vontade do governo de atender a todos os pleitos, o papel do deputado é ajustar e viabilizar que esses projetos sejam aprovados. Nossa equipe em Brasília trabalha também para dar o suporte e orientação aos funcionários das prefeituras para a cada dia aprimorar esses canais e viabilizar mais recursos”.
Segundo ele, todos os municípios de sua base estão recebendo recursos ao longo dos últimos anos. Declarou.

 Nosso Parceiro
 Eron Elias
www.humberart.blogspot.com

segunda-feira, 7 de abril de 2014

CAMINHÃO DE ENTREGAS E ROUBADO NO MUNICÍPIO DE SANTA MARGARIDA

     Um caminhão de uma transportadora foi roubado na área rural de Ribeirão São Domingos (Santa Margarida) na noite da última terça-feira (01/04). Os bandidos levaram televisões, lavadoras, freezer e bicicletas que seriam entregues na região.

    O motorista e o ajudante tinham feito entregas em Pedra Bonita e seguiam pela estrada quando foram rendidos no trecho do Córrego Mata do Capim. Três homens aproveitaram um trecho de subida e foram para a frente do caminhão armados com revólveres. Eles usavam panos cobrindo o rosto.

    Os bandidos renderam os dois trabalhadores, amarraram e colocaram no baú do caminhão. Em seguida, dirigiram cerca de 15 minutos. Cobertos com um pedaço de pano, os dois funcionários não assistiram o roubo.

     Os ladrões pegaram os materiais que estavam no baú. Foram roubados: uma televisão Led Smart, da marca LG 47 polegadas; uma televisão Led Full HD, da marca LG 42 polegadas; uma televisão Led Full HD, da marca LG; uma televisão Led Smart, marca Samsung, 40 polegadas; uma lavadora Electrolux 15 kg; uma lavadora Electrolux 12 kg, de cor branca; um simulador de caminhada Star Fitness; um freezer horizontal Electrolux de cor branca; um mini system Samsung 1100w; uma bicicleta Full fa 240, 18 marchas, aro 26 Free Action; e uma bicicleta aro 26 Extreme unissex.

     Os dois trabalhadores ficaram presos no baú do caminhão até a madrugada. Os bandidos saíram dizendo que voltariam para buscar o restante das mercadorias.

    Por volta de 4:30 da manhã, motorista e ajudante conseguiram se soltar e assumiram a direção do veículo. Eles foram para a BR-262 e acionaram a Polícia Militar.

    Equipes fizeram rastreamento, tentando localizar os autores e levantar pistas na região em que o assalto ocorreu, mas sem sucesso.

Acesse nosso parceiro
www.portalcaparao.com.br

terça-feira, 1 de abril de 2014

CÂMARA DE VEREADORES ADQUIRE UM VEÍCULO ZERO KM

     A Câmara Municipal de Vereadores de Pedra Bonita Biênio 2013-2014, sob a Presidência do Vereador Humberto Osvaldo Ferreira (PMDB), vem trabalhando com muita transparência e respeito, buscando atender cada dia melhor sua população. E mais uma vez demonstrando o compromisso com o trabalho, o Presidente Humberto com o apoio dos vereadores, adquiriu um Fiat Pálio Zero Km, para atender as demandas da Câmara.




segunda-feira, 31 de março de 2014

Pedra Bonita realiza exame de Prevenção ao Câncer de Prostata

Mais de 500 homens participaram no sábado (15/03) de mais uma mega campanha de prevenção contra o Câncer de Próstata,  evento realizado  pela Prefeitura de Pedra Bonita, através da Secretaria Municipal de Saúde, com a parceria da Fundação Cristiano Varela de Muriaé.

Mais uma vez, os Pedrabonitenses demonstraram que a prevenção está em primeiro lugar. Foram oferecidos gratuitamente aos munícipes acima de 40 anos, exames preventivos de PSA e coleta de sangue. Os presentes também puderam assistir  uma  palestra educativa sobre o tema.

O evento contou com a participação de médicos  e profissionais da Secretaria Municipal de Saúde, com participação ativa do Prefeito Trovão Vitor e do Secretário Municipal de Saúde Pedro Vitor de Queiroz, “Vitinho”.  

Durante todo dia de mobilização na quadra poliesportiva, cerca de 526 homens compareceram para o atendimento.

 Está é a terceira vez que a Secretaria Municipal de Saúde realiza a campanha. O objetivo é sempre esclarecer à população, principalmente os homens com idade acima dos 40 anos, sobre a importância do exame preventivo de próstata.

A Secretaria Municipal de Saúde adverte que o Câncer de Próstata é uma das doenças mais causadora de mortes no Brasil, a incidência mundial entre os homens é 5%. Para diminuir esse índice, o principal desafio é diminuir o preconceito em relação ao exame da próstata. "Ainda existe uma resistência muito grande dos homens em procurar o médico".